Pesquisar

Navegação

 

Morro Agudo agora conta com Eco Ponto para reutilizar esse material

A Vigilância Epidemiológica de Morro Agudo recolheu 10.710 quilos de pneus parados na nossa cidade no último sábado dia 14 de janeiro.

Agora, a Secretaria Municipal da Saúde ou Controle de Vetores, passarão em todas borracharias comunicando que os proprietários precisarão levar os pneus sem utilidades até o Eco Ponto, um barracão alugado pela Prefeitura Municipal até a empresa de São Paulo vir buscar para fazer a reciclagem dos pneus.

De acordo com a Vigilância, o intuito é tirar os mesmos do ar livre, pois quando chove os pneus com água viram criadores do mosquito Aedes Aegypt, proliferando ainda mais a Dengue, Chikungunha, Zika e até mesmo a Febre Amarela, pois ela é transmitida pelo mosquito. 

 

Letra: Maria Aparecida de Souza Barbeti 
Música: Antônio Bonutti

I

Morro Agudo hospitaleira
Que acolhes de coração, 
És terra de brava gente, 
És gigante em extensão.

II

Teu chão é terra fértil, 
Bem verde a vegetação, 
Ajudas com abundância 
Ao progresso da nação.

III

És mistura de credos e raças, 
Teu povo é sem preconceito 
E essa união fraternal 
Põe em alto o teu conceito.

IV

Despertas para o progresso, 
Florescem teus ideais, 
Na luta do dia-a-dia 
Vais firmando teus anais.

V

És Morro Agudo querida, 
És cidade jovial, 
Quem conhece não esquece, 
Do amor és capital.”

 

Download do Hino de Morro Agudo

 

 

A história do surgimento de Morro Agudo é bastante parecida com a de outras cidades. Foi ao redor da primeira capela que a cidade ganhou os primeiros contornos iniciais.
O primeiro núcleo de povoamento de Morro Agudo foi a Fazenda Invernada. Esta era um gigantesco latifúndio sob o comando da família Junqueira, capitaneada por Francisco Antônio Junqueira, descendente de imigrantes portugueses que vieram para o Brasil em meados do século XVIII,e se instalaram em Minas Gerais.
Invernada tornou-se por muito tempo o principal núcleo político e social da região, e ponto de referência para os forasteiros que aos poucos iam chegando e se instalando em pequenos lotes de terra fora do domínio dos Junqueira.
Eles vinham principalmente de Minas Gerais, em função da decadência da mineração, e pelo fato do solo de lá não ser tão generoso como o do município para a exploração da agricultura.
A semente do desenvolvimento estava lançada. Em março de 1.885 o pequeno aglomerado de casas ao redor da capela passou a categoria de Freguesia. Logo o resultado das grandes colheitas, por causa das condições climáticas e do solo fértil, Morro Agudo passou a condição de distrito do município do Espírito Santo dos Batatais, com o nome de São José do Morro Agudo, nome este se deve à crença das pessoas daquela época em São José, com a adição do sufixo “Morro Agudo”, em homenagem ao Morro do Chapéu, existente nas proximidades.
Em agosto de 1.934 tornou-se município de Morro Agudo, e sua instalação se deu no dia 6 de janeiro de 1.935.